Célula-Tronco

Célula-Tronco

O Sangue do Cordão Umbilical

Uma decisão: coletar um material precioso que pode salvar vidas.

minivideominivideo celulashematopoeticas

Em conjunto com as células tronco da medula óssea, as células-tronco do sangue do cordão são chamadas de células-tronco hematopoéticas, por serem as formadoras do sangue.

O sangue remanescente no cordão umbilical do bebê, após o seu nascimento, contém valiosas células-tronco hematopoéticas que podem ser usadas para tratar diversas doenças de origem sanguínea e relacionadas ao sistema imunológico. Por isso, é importante avaliar a possibilidade de armazená-las antes do momento do parto10.

As células-tronco do sangue do cordão vêm sendo utilizadas há mais de 20 anos no tratamento de doenças que, antes, podiam ser tratadas somente com células-tronco da medula óssea ou através de outra modalidade de terapia não-celular11.

Está demonstrado hoje que a probabilidade de uma pessoa de 0 a 70 anos precisar de um transplante de células-tronco hematopoéticas (como as do sangue de cordão umbilical) é de 1 para 21712. Uma chance muito maior do que a maioria das pessoas imaginava.

Histórico de Transplantes de medula por origem das células-tronco nos Estados Unidos.

Pacientes abaixo de 18 anos

grafico 001

Praticamente inexistente há apenas 20 anos11, hoje em dia, as células-tronco hematopoéticas do sangue do cordão umbilical são uma fonte consagrada de células-tronco hematopoéticas utilizada em transplantes de medula óssea13.

grafico 002

A utilização de células-tronco autólogas (da própria pessoa) em transplantes de medula volta a apresentar crescimento nos últimos 10 anos.

grafico doenças> Veja a lista completa de doenças em tratamento com células hematopoéticas

Lista completa das doenças em tratamento com células hematopoéticas

Estas são doenças para as quais os transplantes de células-tronco hematopoéticas são uma opção de tratamento.

Vários fatores são levados em consideração para um transplante alogênico (usando células-tronco de doadores familiares ou não relacionados) ou autólogo (usando as próprias células-tronco) de células-tronco hematopoética: é preciso saber se a doença já entrou em remissão com quimioterapia ou radioterapia; se a origem da doença é genética ou tem pré-disposição genética; e se existe doador disponível, entre outros.

Para algumas doenças, o transplante de células hematopoéticas (independentemente da fonte celular ser a medula óssea ou o sangue do cordão) é a única modalidade que oferece chances de cura. Para outras doenças, o transplante não seria a primeira opção, ficando reservado para situações nas quais outras terapias não obtiveram sucesso ou nas quais a doença é muito agressiva.

 

1ª linha terapêutica

Autólogo como 2ª linha terapêutica

Oncologia

Alogênico

Autólogo

Doença linfoproliferativa ligada ao Epstein Barr vírus

NA

Doença linfoproliferativa ligada ao X

Doença de Hodgkin

NA

Histiocitose

Leucemia aguda indiferenciada

Leucemia aguda promielocítica

Leucemia bifenotípica

Leucemia linfoide aguda

Leucemia linfoide crônica

Leucemia mieloide aguda

Leucemia mieloide crônica

Leucemia mieloide crônica Juvenil

Leucemia mielomonocítica juvenil

Leucemia mielomonocítica crônica

Mielofibrose

Linfoma não Hodgkin

NA

Mieloma múltiplo

NA

Neuroblastoma

NA

Sarcoma de Ewing

NA


 

1ª linha terapêutica

Autólogo como 2ª linha terapêutica

Falência Medular

Alogênico

Autólogo

Anemia sideroblástica

Doença de Nieman-Pick

Doença granulomatosa crônica

Histiocitose

Leucodistrofia metacromática

Linfohistiocitose eritrofagocítica familiar

Linfohistiocitose hemofagocítica

Mielodisplasia

Neutropenia congênita

Osteopetrose

Síndrome de Kostmann

Síndrome de Lesch-Nyhan

Síndrome de Morquio

Anemia aplástica grave

Anemia de Diamond-Blackfan

Anemia de Fanconi

Síndrome hemafagocítica


 

1ª linha terapêutica

Autólogo como 2ª linha terapêutica

Doenças hematológicas não malignas

Alogênico

Autólogo

Anemia falciforme

Talassemia

Trombocitopenia amegacaricítica

Trombocitopenia congênita

Amildose

NA


 

1ª linha terapêutica

Autólogo como 2ª linha terapêutica

Doenças do metabolismo ou hereditárias

Alogênico

Autólogo

Adrenoleucodistrofia

Alfa-manosidose

Aspartilglucosaminúria

Disgenesia reticular

Disqueratose congênita

Doença de adesão linfocitária

Doença de Batten

Doença de Gunther

Doença de Hurler

Doença de Hurler-Scheie

Doença de Krabbe

Doença de Sandhoff

Doença de Sanfilippo

Doença de Shwachman-Diamond

Doença de Tay Sachs

Doença de Wolman

Enteropatia polendócrina (con desregulação imune ligada ao X)

Fucosidade

Gangliosidade

Leucodistrofia metacromática

Doença de Austin (deficiência de sultafase múltipla)

Lipofucosine ceroide infantil

Mucolipidose tipo II

Porfiria eritropoética congênita


 

1ª linha terapêutica

Autólogo como 2ª linha terapêutica

Imunodeficiências

Alogênico

Autólogo

Imunodeficiência comum variável

Síndrome de DiGeorge

Síndrome de Griscelli

Síndrome de Wiskott Aldrich

Imunodeficiência congênita

 

grafico doenças> Veja a lista de doenças em estudo com células hematopoéticas

Terapias em ensaios clínicos

Lesões Neurológicas

Diagnóstico

Alogênico

Autólogo

Paralisia Cerebral

Relato de caso

Fase 1

Encefalopatia Hipóxico-isquêmica (EIH)

 

Fase 1

Lesão cerebral traumática

Estudo em animais

Fase 1

Lesão em medula espinhal

Relato de caso

 

Autismo

 

Fase 2

Perda auditiva (neurossensorial adquirida)

 

Fase 2


Doenças autoimunes

Diagnóstico

Alogênico

Autólogo

Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Fase 2

Fase 2

Doença de Crohn

Fase 2

Fase 3

Fase 3

Fase 3

Fase 2

Fase 3

Diabetes Tipo 1

Fase 2

Fase 1

Doença do enxerto contra o hospedeiro (DECH)

Fase 3

 

Fase 3

 

Esclerose múltipla

 

Revisão de ensaios

 

Fase 1

Artrite reumatoide

Fase 2

 

Esclerodermia

 

Relato de caso

 

Fase 2

 

Fase 2


Doenças cardiovasculares

Diagnóstico

Alogênico

Autólogo

Defeitos congênitos

 

 

Suporte para Cirurgia Cardíaca Aberta

 

Fase 1

Síndrome de Hipoplasia do Coração Esquerdo (SHCE)

 

Fase 1

Crescimento de Enxerto Vascular

 

Fase 1

Isquemia

 

 

Isquemia Crítica de Membro

Fase 2

Fase 2

Fase 2

Fase 3

Síndrome compartimental (Trauma de campo de batalha)

 

Fase 1

Acidente vascular isquêmico

Fase 2 placenta

Fase 3

Doenças isquêmicas do coração

 

Meta-análise

Reparação cardíaca

 

 

Infarto do Miocárdio

 

 

Fase 3 BAMI

Cardiomiopatia

Relato de caso

Fase 1

 

Fase 3


Terapia genética para doenças hereditárias

Observe que esta lista inclui apenas a terapia gênica que é entregue utilizando apenas células-tronco formadoras de sangue. Existem muitos outros ensaios clínicos sobre terapia gênica, alguns deles para as mesmas doenças, que têm uma via diferente de administração (injeções intramusculares, injeções intracerebrais, etc...)

Diagnóstico

Alogênico

Autólogo

Adrenoleucodistrofia

 

Fase 2

Doença granulomatosa crônica ligada ao X

 

Fase 1

 

Fase 1

 

notícia

HIV

 

Fase 1

 

Fase 1

Leucodistrofia metacromática

 

Fase 1

Imunodeficiência Combinada Severa

 

Fase 1

 

Fase 1

 

Fase 1

 

Fase 1

 

Fase 1

Anemia falciforme

 

Ensaio planejado

Talassemia

 

Relato de caso

 

Fase 1

 

Fase 1

 

Fase 1

Síndrome de Wiskott -Aldrich

 

Fase 1

 

Fase 1


Doenças ortopédicas

Reparação de fenda palato-alveolar

Aprovação pelo FDA para Gintuit (células-tronco não-hematopoéticas)

Publicação

Fase 1

Reparação da cartilagem do joelho

Aprovação pelo FDA da Coreia para Cartistem

Fase 2


Miscelânea

Diagnóstico

Alogênico

Autólogo

Displasia broncopulmonar (DBP)

Fase 2 Pneumostem

 

Epidermólise bolhosa

Artigo científico, história

 

HIV ou "AIDS"

Fase 1 Hutch

 

Paciente de Berlim PubMed & NPR

 

Doenças do armazenamento em lisossomos

Transplante de sangue do cordão umbilical intraútero

 

Última modificação: 24/03/2014 – Parent’s guide to Cord Blood Foundation© 2007-2014

Um importante ensaio clínico usando células-tronco hematopoéticas de sangue de cordão umbilical para tratar doenças neurológicas está em andamento, desde 2004, na Duke University, na Carolina do Norte, um grande centro de pesquisa nos Estados Unidos14.

Vantagens do uso das células-tronco hematopoéticas do cordão X outras células-tronco hematopoéticas adultas15, 16, 17,18, 19, 20

  • São células mais imaturas, mais tolerantes imunologicamente, que exigem um grau menor de compatibilidade para o sucesso do transplante.
  • A probabilidade de rejeição é menor do que a das células-tronco da medula de outro indivíduo.
  • Não foram expostas a fatores ambientais que podem comprometer sua viabilidade, ao contrário das células-tronco da medula óssea de um adulto.
  • Sua coleta é simples, não-invasiva e não envolve anestesia geral, como no caso da medula óssea, além de ser totalmente indolor e de não oferecer riscos para a mamãe ou para o bebê21.
  • As células-tronco do sangue do cordão ficam criopreservadas e, portanto, disponíveis imediatamente em caso de necessidade.

Referências Bibliográficas:

10. Cord blood hematopoietic stem cell transplantation
Broxmeyer, H.E. StemBook, ed. (May 26, 2010) The Stem Cell Research Community, StemBook,
doi/10.3824/stembook.1.52.1, http://www.stembook.org.

11. Hematopoietic reconstitution in a patient with Fanconi's anemia by means of umbilical-cord blood from an HLA-identical sibling.
Gluckman E, Broxmeyer H.A, Auerbach A.D, Friedman H.S, Douglas G.W, Devergie A, Esperou H, Thierry D, Socie G, Lehn P, et al. N
Engl J Med. 1989;321:1174–1178

12. Lifetime probabilities of hematopoietic stem cell transplantation in the U.S.
Nietfeld JJ, Pasquini MC, Logan BR, Verter F, Horowitz MM.
Biol Blood Marrow Transplant. 2008 Mar;14(3):316-22.

13. https://bethematchclinical.org/resources-and-education/hct-presentation-slides/#899/

14. www.clinicaltrials.gov

15. Graft-versus-host disease in children who have received a cord-blood or bone marrow transplant from an HLA-identical sibling. Eurocord and International Bone Marrow Transplant Registry Working Committee on Alternative Donor and Stem Cell Sources.
Rocha V, Wagner JE Jr, Sobocinski KA, Klein JP, Zhang MJ, Horowitz MM, Gluckman E.
N Engl J Med. 2000 Jun 22;342(25):1846-54.

16. Transplants of umbilical-cord blood or bone marrow from unrelated donors in adults with acute leukemia.
Rocha V, Labopin M, Sanz G, Arcese W, Schwerdtfeger R, Bosi A, Jacobsen N, Ruutu T, de Lima M, Finke J, Frassoni F, Gluckman E; Acute Leukemia Working Party of European Blood and Marrow Transplant Group; Eurocord-Netcord Registry.
N Engl J Med. 2004 Nov 25;351(22):2276-85.

17. Survival after transplantation of unrelated donor umbilical cord blood is comparable to that of human leukocyte antigen-matched unrelated donor bone marrow: results of a matched-pair analysis.
Barker JN, Davies SM, DeFor T, Ramsay NK, Weisdorf DJ, Wagner JE.
Blood. 2001 May 15;97(10):2957-61.

18. Patents versus transplants.
Gluckman E, O'Reilly R, Wagner J, Rubinstein P.
Nature. 1996 Jul 11;382(6587):108.

19. Clinical Protocols for the Isolation and Expansion of Mesenchymal Stromal Cells.
Bieback K, Schallmoser K, Klüter H, Strunk D.
Transfus Med Hemother. 2008;35(4):286-294.

20. New Approaches for Improving Engraftment after Cord Blood Transplantation.
Rocha V, Broxmeyer H.E.
Biol Blood Marrow Transplant. 2010;16:S126–S132.

21. Umbilical cord blood: information for childbirth educators.
Waller-Wise R.
J Perinat Educ. 2011 Winter;20(1):54-60.

Tags: hematopoéticas sangue do cordão medula óssea

Contato

Atendimento 24h
0800 707 2673

Grande São Paulo
11 3094-2673
11 2199-2673

Hotline de coletas 24h X 7
0800 888 2673

Rua Alvarenga 2226
Butantã - São Paulo,
SP - 05509-006

Curta a CordVida

 


Siga a CordVida

videos flat 100x100
Vídeos CordVida


accredited
Todos os processos da CordVida estão de acordo com os melhores padrões mundiais certificados pela AABB (American Association of Blood Banks)